Cinecartaz

J.F.Vieira Pinto

Eles

“Eles” e os seus relatórios bem como as inspeções de surpresa, seria o “prato-forte” na dia-a-dia da antiga RDA.
Bárbara, parece movimentar-se bem neste submundo para lá da cortina de ferro “onde não se pode ser feliz” e onde proliferavam delatores; estes, estavam em todo o lado. O condutor do Trabant – a viatura do regime – pode ser mais um. A conversa que enceta sobre o modelo “Mercedes”, poderá ser (ou não) mais uma “investigação”. Oito anos, o tempo médio para adquirir um!....
O tema “RDA”, não é muito aproveitado pelos cineastas alemães, exceptuando “As Vidas dos Outros” de Florian Henckel: assunto tabu para os alemães?...
“Bárbara” cumpre os serviços mínimos. Petzold esteve melhor em “Jerichow” mas, Nina Hoss (Bárbara) tem nota máxima. (****)

Publicada a 19-11-2019 por J.F.Vieira Pinto