Cinecartaz

Rufino Pinho

Três foi a conta que Deus fez!

Depois de ir ver os dois primeiros, fui ver o terceiro, e mais três iria ver se os houvera. São todos bons, muito bons mesmo. Bonitos, poéticos, inteligentes, polvilhados de uma apropriada, fina e funda ironia, a fazer lembrar o Eça e o Saramago.Também me parece que de facto o 2º volume, em termos de filme separado e espetáculo de cinema, será o mais conseguido e o que mais prende e maravilha o espectador. Mas o 1º é muito forte, empenhado, denso e interessante. No 3º o realizador levanta voo na sua ideia e poética imaginação, com os tentilhões, passarinheiros e aviões, que voam, caem e morrem. Mas a história contada pela chinesinha agarrada pelo e ao Cata, como diria Serafim Saudade, é de um verdadeiro artista. Gostei muito.

Publicada a 11-10-2015 por Rufino Pinho