Cinecartaz

José Miguel Costa

4 estrelas

Da Islândia chega-nos, pela mão do realizador Benedikt Erlingsson, "Mulher em Guerra", um filme (que oscila entre o triller, drama familiar e comédia algo nonsense, com uns toques de realismo fantástico) sobre activismo ecológico.
Relata a luta de Hala, uma insuspeita mulher solteira, na casa dos 50 anos, que vai alternando a sua actividade profissional (directora de um coro em Reiquejavique) com acções solitárias de sabotagem (que a imprensa sensacionalista "vende" como sendo levadas a cabo por uma organização terrorista internacional) contra projectos governamentais "pouco amigos do ambiente" ligados a poderosos interesses industriais e corporativos. No entanto, esta fica perante um conflito interno quando a sua ânsia de salvar o planeta entra em confronto com uma outra missão que implicará alterações na dinâmica da sua vida pessoal (a adopção de uma criança).

Trata-se de uma obra (bastante) apelativa graças ao modo como o seu modelo narrativo interliga com eficácia (e piada) uma temática realista e urgente (a necessidade de preservação do ambiente e a consequente luta contra as mais diversas formas de agressão contra o mesmo - abstendo-se, todavia, de impingir "lições de moral") com um certa linguagem fantasiosa/surrealista (sobretudo quando opta por incorporar no seio de múltiplas cenas, de modo despropositado, a atípica banda sonora a "tocar ao vivo").
E depois, como não poderia deixar de ser, torna-se quase impossível resistir à beleza das paisagens nuas, geladas e rochosas da Islândia (captada por uma magnifica fotografia de tom "dark").

Publicada a 04-12-2019 por José Miguel Costa