Cinecartaz

José Miguel Costa

2 estrelas

 

Os (magníficos) filmes "O Amor É Uma Coisa Estranha" (2016) e "Homenzinhos" (2017) consagraram Ira Sachs como um dos mais interessantes cineastas indie de Nova Iorque.
Regressa aos grandes ecrãs com "Frankie", uma co-produção franco-portuguesa, rodada integralmente em Sintra, com uma cabeça de cartaz de luxo (a sempre excepcional Isabelle Huppert).


No entanto, neste drama familiar dotado de um dispositivo narrativo simplíssimo (uma consagrada actriz que padece de cancro em estado terminal convida toda a sua familia mais próxima para efectuar uma viagem de férias a Portugal com o objectivo de despedir-se – sem quaisquer lamechices), Ira Sachs fica "muitos furos abaixo" daquilo a que nos habituou, na medida em que soa algo genérico/disperso e superficial (tanto ao nível dos diálogos – soltos e descontínuos –quanto do quase inexistente desenvolvimento das personagens).

Grosso modo, não passa de um "filme postal" sobre Sintra (e a Praia das Maçãs), no qual são inseridas pessoas (filmadas em longos planos fixos sem cortes) que se vão encontrando aleatoriamente (quase sempre em "duplas") e despejando "conversas vazias" (de um modo algo teatral)

Publicada a 17-12-2019 por José Miguel Costa