Cinecartaz

Raul Gomes

Esteticamente belo e ingénuo

Na sua juvenilidade intemporal, mas oportuna, que não se dilui no tempo, antes pelo contrário, resplandece a cada frame.
Soberba interpretação de Saoirse Ronan, muito bem acompanhada por um elenco em que sobressai Florense Pugh, e ainda a sempre bem-vinda Laura Dern.
Em antítese a performance de Timothée Chalamet é mais uma vez desconcertante, mais parecendo uma marioneta na sua "graciosidade".
Boa realização e fotografia e guarda roupa e banda sonora excepcionais, ou não fosse uma obra de Alexandre Desplat.
Um pequeno senão para a montagem, por vezes um pouco desgarrada e desfasada na sua cronologia.
Greta Gerwwig, não consegue o brilho de "Lady Bird", mas anda lá perto.
A sua sensibilidade como mulher e actriz, reflecte-se felizmente num filme agradável.

Publicada a 30-01-2020 por Raul Gomes