Cinecartaz

José Miguel Costa

1 estrela

O filme "Capone", escrito e dirigido por Josh Trank, tal como o próprio nome indica, foca-se no mais famoso/perigoso mafioso italo-americano, que aterrorizou Chicago na década de 1920, período durante o qual este acumulou poder e uma incalculável fortuna, à boleia da implementação da Lei Seca, que proibiu o fabrico e comercialização de bebidas alcóolicas em território americano.

Joshua Trank que explora, de forma quase abjecta, a decadência fisica, mental e económica dos últimos dias de vida do gângster (falecido aos 48 anos), após ter saido da prisão devido ao seu débil/irreversível estado de saúde, possui o mérito de afastar-se da narrativa clássica dos filmes do género, preferindo aproximar-se do domínio do drama psicológico.
No entanto, esta será, por certo, a sua única virtude, mas não se revelará suficiente, e nem tão pouco o facto de possuir no elenco o Tom Hardy, para salvar esta repetitiva obra, destituida de conteúdo, do desastre total.
Aliás, a prestação estereotipada e exagerada desta super star (cujos diálogos, por vezes, mais não são que grunhidos ininteligíveis), que o realizador transformou num "one man show" (caracterizado de um modo medonho, como um qualquer vilão de BD), apenas reforça o carácter patético/grotesco e caricatural desta pretensa biografia.

Publicada a 09-08-2020 por José Miguel Costa