Cinecartaz

José Miguel Costa

2 estrelas

Viggo Mortensen é um actor com créditos firmados, que decidiu aventurar-se, igualmente, na escrita e realização de filmes, tendo dai resultado "Falling - Um Homem Só" (no qual também acumula o papel de protagonista).
No entanto, esta sua primeira experiência (um drama com - pouco subtis - toques de humor) não resultou num produto propriamente apelativo (e isto para ser minimamente simpático para com o senhor, que me merece todo o respeito pelo seu passado cinéfilo), já que, em boa verdade, deparamo-nos com um (quase) telefilme dotado de uma estrutura narrativa básica, demasiado esquemática/linear, impregnada de clichés e estereótipos, através da qual tenta dissecar a ("mais que batida") história do relacionamento conflituoso entre um progenitor e o filho, em virtude de questões morais relacionadas com a homossexualidade.
Desta feita, a contenda verifica-se entre um gay de sucesso "bem resolvido" (casado e com uma criança adoptada) e um idoso conservador intragável, que entrou em processo demencial, mas que recusa a ajuda de terceiros (sobretudo do seu "filho virado"), apesar de residir sozinho no meio de "nenhures".

Vemo-lo e esquecemo-lo num ápice (mesmo sem padecermos de qualquer doença degenerativa), tal é a sua insignificância.

Publicada a 16-09-2021 por José Miguel Costa