Cinecartaz

Ana Fernandes

Belleville, belle époque

É um filme de certa forma arrepiante. O olhar da autora (penso ser uma mulher) é de uma pontaria acutilante sobre tudo onde poisa. Nada aparece por acaso. De facto, nem sei se a dedicatória final aos pais será, também ela, dotada de algum outro sentido. E viva a Madame Souza, sem dúvida o melhor do filme. E que filme!

Publicada a 13-04-2004 por Ana Fernandes