Cinecartaz

Pub

O Ninho

Título original:
The Nest
De:
Sean Durkin
Com:
Jude Law, Carrie Coon, Anne Reid, Charlie Shotwell
Género:
Drama
Outros dados:
GB/CAN, 2020, Cores, 107 min.

Ano de 1984. Depois de muito tempo a viver nos EUA, Rory O'Hara (Jude Law) regressa à sua Inglaterra natal com Allison (Carrie Coon), a mulher, e os dois filhos de ambos. A ideia é aproveitar a conjuntura económica favorável. Apesar da beleza da mansão que se tornou sua casa e de toda a elegância que os rodeia, a mudança faz Allison sentir-se desamparada e só. Isso vai dar origem a um distanciamento entre eles, abrindo fissuras na relação, e criar um clima de hostilidade crescente entre todos os elementos da família.  
Estreado internacionalmente no Festival de Cinema de Sundance, um "thriller" psicológico escrito, produzido e realizado por Sean Durkin, vencedor em Cannes do Prémio Regards Jeune com "Martha Marcy May Marlene" (2011). PÚBLICO
 

PUB

Votos dos Leitores

Média da votação dos leitores, num total de 24 votos (carregue na posição pretendida para votar)

Votos dos Críticos

Envie-nos a sua crítica

Para submeter o seu comentário tem que ter javascript activo no seu browser.

Pedimos que respeite os nossos Critérios de Publicação. Reservamo-nos o direito a não publicar quaisquer comentários inadequados ou ofensivos. O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados. Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.

Críticas dos nossos leitores

  • Miguel Pereira

    O Ninho

    Excelente filme. Perfeito.

  • Luís Oliveira Santos

    0 estrelas

    Uma pessegada.

  • Maria Ferrão

    Decepcionada

    Subscrevo sem reserva a crítica da autoria de José Miguel Costa, que pode ser lida na  (continuar a ler)

  • Céu

    Só fachada

    Não tenho a certeza se gostei. Pareceu-se uma peça de teatro em filme.

  • Cristina C.

    Nada é perfeito

    Põe à prova a nossa versão deturpada do conflito familiar... Será possível  (continuar a ler)

  • José Miguel Costa

    2 estrelas

    Em 2011, Sean Durkin deixou os cinéfilos indie presos pelo beicinho com um inquietante e viscer (continuar a ler)